Caminhar
na natureza


Caminhos ancestrais atravessam as Astúrias de Norte a Sul e de Este a Oeste, percursos desde o Paleolítico até aos nossos dias. Romanos ou pastores usavam-nos para se moverem de uns povos para outros, atravessando ou contornando vales, rios e montanhas para comprar e vender, levar o gado aos pastos altos ou para ir à festa de alguma aldeia.

Recentemente estes caminhos foram tomados por si, por mim, por todos os caminhantes que desfrutamos da natureza asturiana, mas não devemos esquecer que temos de o fazer com responsabilidade e segurança. A responsabilidade de saber que muitos destes caminhos estão em espaços naturais e que nestes não podemos caminhar por onde queremos. Que muitos destes caminhos têm uns limites que não podemos ultrapassar para não perturbar a natureza, pelo que é imprescindível entrarmos antes em contacto com quem nos possa ajudar a respeito em cada espaço natural. Para isso existem os Centros de Interpretação ou a morada dos espaços, se for necessário.
Cachoeira do Xurbeo (Aller)Cachoeira do Xurbeo (Aller).
Não recolher seres vivos salvo na nossa câmara, sem os pressionar nem correr atrás deles, e, sobretudo, não deixar lixo de nenhum tipo, e se encontrarmos algum que não seja nosso, recolhê-lo sempre que seja possível. Também temos de sair com a segurança de que podemos voltar pelo nosso próprio pé, saber que as nossas condições físicas se adequam à rota, levar as botas e os bastões corretos, e certificarmo-nos de que temos alimentos e bebidas suficientes, já que na maioria das rotas não encontraremos nem fontes, nem locais onde comprar ou parar para comer a meio da rota.
Caminho a la Vega de Brañagallones (Andorviu - Caso)Caminho a la Vega de Brañagallones (Andorviu - Caso).
Por razões de segurança, também é recomendável estar inscrito na Federação de Montanha que tenha mais perto, e levar consigo o caminho da rota numa aplicação móvel ou num GPS. Assim que tiver tudo isto preparado, saia, desfrute, tire centenas de fotos e partilhe-as. Partilhe com outros a beleza desta terra e dos lugares recônditos e magníficos que guarda.


Devemos ter a responsabilidade de saber que a natureza é melhor deixá-la como está, que não fique qualquer marca da nossa passagem.

Segurança na natureza

A natureza não está isenta de riscos, nem sequer o mais simples dos passeios. Condições meteorológicas mutáveis, desabamentos do terreno, avenidas de água, animais selvagens... são imprevistos que podem surgir em qualquer rota, em qualquer caminho e para os quais nos devemos preparar na medida do possível. Qualquer excursão, por mais simples que seja, deve ser preparada.
Antes demais...
Avalie as suas possibilidades, deve conhecer quais são as suas limitações de distância e desnível; para isso é melhor começar por rotas simples, de não mais de duas horas e menos de trezentos metros de desnível, se não tem o costume de fazer caminhadas. Analise as condições do terreno da rota, precipícios, fontes que possam haver no caminho, dificuldade do percurso...

Conheça a previsão meteorológica
Uma vez que tenha claro que rotas pode fazer, o seguinte é averiguar a previsão meteorológica. Hoje em dia isto é simples, e podemos conhecê-la para zonas muito concretas na internet (aemet.es). Respeite os alertas e verifique as altitudes da rota, que podem influir muito nas condições em que se realiza o trajeto.
Caminhadas (Cangas de Onís)Caminhadas (Cangas de Onís).
Comida suficiente
Certifique-se de que leva comida e bebida suficientes (pelo menos litro e meio por pessoa e dia) e apropriadas para a atividade.

Equipe-se
Procure o equipamento adequado, é sempre aconselhável utilizar várias camadas de roupa (t-shirt térmica, casaco, impermeável...). Como calçado, recomenda-se umas botas que fiquem justas ao tornozelo, para evitar acidentes como entorses ou semelhantes. Usar dois bastões ajuda a estabilizar o nosso passo e evita as quedas.

Tome precauções
Comunique onde vai, a rota que irá realizar, o percurso previsto e o tempo estimado a amigos e/ou familiares e avise-os quando acabar. Não saia sozinho numa rota. Verifique se tem o tempo adequado, e se vê que não vai ter tempo de acabar, encurte a rota ou dê a volta. Pela sua própria segurança e pela segurança das espécies que vivem no ambiente, não saia da rota. E se estiver num espaço natural, conheça com antecedência que zonas estão proibidas. Evite riscos desnecessários. Deixe fechados todos os fechos de quintas onde se encontre e procure não se aproximar demasiadamente do gado, pela sua segurança e segurança do mesmo.
Não se esqueça de...
  • Kit de primeiros socorros.
  • Métodos de orientação, como mapa e bússola ou GPS (com o caminho da rota carregado) ou aplicação móvel para caminhada que o geoposicione. Pilhas ou bateria externa.
  • Roupa para trocar.
  • Telemóvel.
  • Navalha.
  • Uma mochila de caminhada de uns 20/30 litros, com suporte na barriga.
Em caso de acidente,
ligue para o 112.

Rotas de caminhadas

Subir arriba
Categoria Concelho
  • Concelho
  • Allande
  • Aller
  • Amieva
  • Avilés
  • Belmonte de Miranda
  • Bimenes
  • Boal
  • Cabrales
  • Cabranes
  • Candamo
  • Cangas del Narcea
  • Cangas de Onís
  • Caravia
  • Carreño
  • Caso
  • Castrillón
  • Castropol
  • Coaña
  • Colunga
  • Corvera de Asturias
  • Cudillero
  • Degaña
  • El Franco
  • Gijón
  • Gozón
  • Grado
  • Grandas de Salime
  • Ibias
  • Illano
  • Illas
  • Langreo
  • Laviana
  • Lena
  • Llanera
  • Llanes
  • Mieres
  • Morcín
  • Muros de Nalón
  • Nava
  • Navia
  • Noreña
  • Onís
  • Oviedo
  • Parres
  • Peñamellera Alta
  • Peñamellera Baja
  • Pesoz
  • Piloña
  • Ponga
  • Pravia
  • Proaza
  • Quirós
  • Las Regueras
  • Ribadedeva
  • Ribadesella
  • Ribera de Arriba
  • Riosa
  • Salas
  • San Martín de Oscos
  • San Martín del Rey Aurelio
  • San Tirso de Abres
  • Santa Eulalia de Oscos
  • Santo Adriano
  • Sariego
  • Siero
  • Sobrescobio
  • Somiedo
  • Soto del Barco
  • Tapia de Casariego
  • Taramundi
  • Teverga
  • Tineo
  • Valdés
  • Vegadeo
  • Villanueva de Oscos
  • Villaviciosa
  • Villayón
  • Yernes y Tameza