• Español
  • English
  • Français
  • Deutsch
  • Italiano
  • Portugués

Absorva a
cultura asturiana


A ampla e caprichosa história das Astúrias tornou-se o fio condutor para compreender a sua heterogénea cultura. Esta terra era habitada há 200 milhões de anos por titânicos dinossauros que deixaram o seu rasto ao longo do litoral. Os primeiros povoadores protegeram-se em grutas onde as pinturas rupestres são o testemunho do seu incipiente interesse na arte 22.000 anos antes da nossa Era. A sociedade castreja emerge em construções circulares escavadas e ainda hoje é visível nos povoados fortificados do ocidente: os castros. É possível visitar os de San Chuis, em Allande, ou Coaña.
Castro de Coaña
A não perder...
  • O Pré-românico asturiano: Santa Maria del Naranco, San Miguel de Lillo,...
  • Arte Rupestre: Tito Bustillo e o seu Centro de Arte Rupestre (Ribadesella), La Peña (Candamo) e o Parque da Pré-história de Teverga.
  • O Museu de Belas Artes das Astúrias (Oviedo).
  • Muséu del Pueblu d'Asturias (Gijón/Xixón).
  • Os Castros do Navia: cultura castreja.
  • Prémios "Princesa de Asturias".
O Reino das Astúrias, nascido em plena Reconquista, transformou o Principado no coração de uma nova Europa, com uma monarquia interessada no talento que frutificou num estilo arquitectónico único: a Arte Pré-românica Asturiana, que se estende a numerosos concelhos, de Oviedo a Villaviciosa, Lena, Pravia, Colunga, Santo Adriano... Igrejas, palácios e mosteiros formam a herança gótica e barroca, com a Catedral de Oviedo como expoente máximo. A revolução industrial modificou novamente esse horizonte e deixou paisagens que no século XXI voltaram a reinventar-se com obras como o Centro Niemeyer, em plena ria de Avilés.

Santa Cristina de Lena
Caminho de Santiago.

Um passeio pela cultura asturiana é uma viagem no tempo através dos séculos.

Uma excelente forma de iniciar esta viagem é através dos elementos reconhecidos como Património da Humanidade pela UNESCO: as grutas de arte rupestre, a Arte Pré-românica Asturiana e os itinerários do norte do Caminho de Santiago. As grutas e abrigos cujas paredes reflectem arte pré-histórica encontram-se ao longo do Principado, e cinco delas gozam da mais prestigiada figura de protecção mundial. São as de Tito Bustillo (Ribadesella), Covaciella (Cabrales), Llonín (Peñamellera Alta), El Pindal (Ribadedeva) e La Peña (Candamo). O mesmo acontece com o Pré-românico, que se exibe, majestoso. Nomeadamente, os edifícios catalogados são os situados em Oviedo e Lena. Os Caminhos do Norte rumo a Santiago de Compostela, Costero e Primitivo, foram os últimos a integrar o selecto clube da UNESCO, com as suas múltiplas opções para o peregrino, e em cujas margens emergem jóias oculta do Património, como San Salvador de Priesca (Villaviciosa), Santa María de Soto de Luiña (Cudillero) e o Mosteiro de San Salvador de Cornellana (Salas).

Viaje no tempo dentro de uma gruta

Entre 22.000 e 10.000 anos antes da nossa Era, os homens habitavam as grutas do maciço de Ardines e nas paredes deixavam vestígios da sua forma de vida. A gruta de Tito Bustillo (Ribadesella) conta com algumas das pinturas de arte rupestre melhor conservadas e está aberta ao público de Março a Outubro. As visitas organizam-se em grupos de 15 e é necessário reservar com antecedência. Na galeria, de 700 metros, existem onze conjuntos de pinturas. Destacam-se os cavalos e as renas. Com o mesmo bilhete é possível percorrer o Centro de Arte Rupestre de Tito Bustillo, que populariza a visita e oferece uma moderna aproximação.
Museu dos Moinhos

É impossível compreender toda a essência desta trama cultural sem, pelo menos, vasculhar a sua etnografia.

Os viajantes com motivação religiosa são seduzidos pela Catedral gótica de San Salvador de Oviedo, que conserva as relíquias do Santo Sudário, a Cruz de la Victoria e a Cruz de los Ángeles, com uma mágica lenda de peregrinos ourives que desenharam a peça para Afonso II; e a gruta e a Basílica de Covadonga, um local montanhoso de pitoresca beleza onde Nossa Senhora apareceu a Pelayo e lhe infundiu a coragem para iniciar a Reconquista.
Catedral de San Salvador
A lista de incontornáveis é interminável, de imponentes mosteiros como os de Corias, San Salvador de Cornellana ou Santa María de Villanueva de Oscos, a teatros como o Riera de Villaviciosa ou palácios como a Quinta de Selgas em El Pito, Cudillero, chamada a pequena Versalhes asturiana.

Santuário de Covadonga

Um Belas Artes hipnótico

Mais de 15.000 peças, do século XIV à actualidade, compõem a maior colecção de arte do Principado, que pertence ao Museu de Belas Artes das Astúrias. Pinturas, esculturas, gravuras, fotografias. De Dalí a Goya, El Greco, Murillo, Tàpies ou Barceló integram esta compilação aberta, que continua a crescer graças a aquisições, depósitos e donativos. Também o imóvel deste museu tem grande valor por si próprio. É formado por três edifícios, o palácio de Velarde (XVIII), a Casa de Oviedo-Portal (XVII) e a premiada ampliação, inaugurada em 2015, de Patxi Mangado.

Museu de Belas Artes
Os museus e complexos temáticos evocam o passado musical, educativo e económico de uma sociedade que soube adaptar-se sem abandonar as suas raízes. O Muséu del Pueblu d'Asturies, em Gijón/Xixón; o Museu Etnográfico de Grandas de Salime, o conjunto etnográfico de Os Teixois, em Taramundi; o Museu Etnográfico do Oriente das Astúrias, em Porrúa-Llanes; o Museu Marítimo das Astúrias, em Gozón; o magnífico edifício "Quinta Guadalupe" que alberga a Fundação Archivo de Indianos – Museu da Emigração, em Colombres; ou o da Escola de Cabranes são alguns exemplos.
Fundação Archivo de Indianos
A actividade cultural desenvolvida no Principado é tão completa como o seu património. A temporada de ópera, de Setembro ao início do ano seguinte, é uma referência da programação anual do Teatro Campoamor, de Oviedo, com estreias e títulos de qualidade. Algo muito semelhante acontece com o Teatro Palacio Valdés, de Avilés, local de estreias nacionais e uma referência para os amantes do palco. A programação é completada na cidade com o Centro Niemeyer. Em Gijón, além do Festival Internacional de Cinema, está o cartaz do Teatro Jovellanos e o do Laboral, com o teatro e o Centro de Arte e Criação Industrial.

Muséu del Pueblu d'Asturies
A rede de museus é vasta pelo seu número e pelas suas múltiplas temáticas. Em pleno centro de Oviedo encontra-se o de Belas Artes, com uma moderna e premiada ampliação. Não muito longe, o Museu Arqueológico lembra-nos a pré-história e história das Astúrias, e o Arquivo Histórico, instalado na antiga prisão da cidade, abre-nos os olhos à história. Outro dos estandartes, graças à sua localização numa atalaia da costa e pelos seus fundos, é o MUJA, o Museu do Jurássico das Astúrias, um edifício com a forma de uma pegada dos fascinantes dinossauros. O Centro de Recepção do Pré-românico, nas antigas escolas do Naranco, permite reservar visitas. O Parque da Pré-história de Teverga é um projecto original em que foram compiladas reproduções das pinturas rupestres.
Parque da pré-história de Teverga
Museu do Jurássico das Astúrias

Um estilo único na Europa

Doze templos e três construções civis, datados entre os séculos IX e X, formam o mais completo e melhor conservado conjunto de arquitectura alto-medieval do ocidente da Europa, que é completado com ricas peças de ourivesaria. A sua singularidade artística e histórica é reconhecida pela UNESCO desde 1985. Gozam desta distinção San Julián de Los Prados, San Miguel de Lillo, Santa María del Naranco, a Câmara Santa de Oviedo, a fonte de La Foncalada e Santa Cristina de Lena.

San Miguel de Lillo