O Caminho da Costa

Muito antes de que se consolidasse o Caminho Francês, sem dúvida a rota compostelana mais conhecida e transitada, os romeiros medievais começaram a preferir para a sua aventura o chamado Caminho da Costa, um percurso de 815 quilómetros que atravessavam o noroeste peninsular seguindo a linha de costa.
Cabo Busto (Valdés)Cabo Busto (Valdés).

A afluência cada vez maior de peregrinos que provinham do exterior do Reino das Astúrias e dos novos territórios reconquistados aos muçulmanos fizeram que cedo começaram a ser exploradas novas vias através das quais se dirigir a Compostela.

O Caminho da Costa, também chamado Caminho de Santiago de la Costa, viria a ser a prolongação do chamado "Camino de Soulac", que percorre as terras mais ocidentais da França, uma vez que este entra na Península Ibérica. Se o Caminho Primitivo constituiu a primeira via de peregrinação compostelana e traçou o itinerário que deviam seguir aqueles que se encaminhassem à tumba do apóstolo da capital do Reino das Astúrias, o Caminho da Costa foi definindo pouco a pouco a rota daqueles que vinham de mais além da velha sede régia e procuravam senhas menos árduas por que chegar a Compostela. Cabe indicar que, apesar de que por volta dos séculos XI e XII os diferentes monarcas começaram a promover o Caminho Francês, a rota primitiva e a da Costa mantiveram um auge considerável pela sua condição de itinerários seguros, já que decorriam por territórios liquidamente cristianizados, frente àquela outra via, que ainda estava exposta a possíveis incursões muçulmanas e entranhava, portanto, um maior risco.

AS ETAPAS

Como se indicou, o Caminho da Costa arranca em Irun e chega a Santiago depois de atravessar todo o norte peninsular. Entra nas Astúrias pela ria de Tina Mayor e abandona a comunidade autónoma pela ria do Eo, percorrendo ao longo desse périplo entre duas águas mais de 283 quilómetros e vinte e um concelhos. Durante o trajeto, combinam-se as Astúrias rural e marinheira com outra de carácter urbano, cujos domínios se apresentam fortemente industrializados, desenhando assim um perfil tão completo como idiossincrásico de uma terra que tem muitas mais caras de que costumam refletir os postais turísticos.

O itinerário oficial, que consta de treze etapas à sua passagem pela comunidade autónoma, pode dilatar-se ou contrair tanto como os peregrinos quiserem, já que a zona conta com suficientes albergues e estabelecimentos turísticos para que cada qual possa moldar os seus passos às exigências do Caminho.

  • 1. Bustio - Llanes 24,4 km
  • 2. Llanes - Ribadesella/Ribeseya 30,4 km
  • 3. Ribadesella/Ribeseya - Priesca 29,0 km
  • 4. Priesca - Casquita 12,9 km
  • 5. Casquita - Gijón/Xixón 26,6 km
  • 6. Gijón/Xixón - Avilés 24,7 km
  • 7. Avilés - Muros de Nalón 22,2 km
  • 8. Muros de Nalón - Soto de Luiña 15,5 km
  • 9. Soto de Luiña - Vil.lamouros/Villademoros 19,8 km
  • 10. Vil.lamouros/Villademoros - Outur/Otur 20,4 km
  • 11. Outur/Otur - A Caridá/La Caridad 24,5 km
  • 12. A Caridá/La Caridad - A Veiga/Vegadeo 26,5 km
  • 13. A Veiga/Vegadeo - Santiago de Abres 7,0 km
Peregrinos (Pimiango - Ribadedeva)Peregrinos (Pimiango - Ribadedeva).
Mapa do Caminho da Costa
Nos nossos dias, a rota vem sendo uma espécie de nêmesis do mencionado Caminho Francês: se este atravessa grandes zonas montanhosas para se desenvolver depois pelas aridezes mesetárias, este supera a faixa fronteiriça para preparar em paralelo ao mar Cantábrico, presenteando com toda uma panorâmica das circunstâncias históricas, económicas e sociais que regeram o devir do norte peninsular.

Há constância de que durante o século XIII o Caminho da Costa conservava o seu apogeu graças aos peregrinos que optavam por esse itinerário ao chegar à rota de Irun e que desembarcavam nos portos de Bermeo ou Bilbau.

Ria del Eo (Vegadeo)Ria del Eo (Vegadeo).
Entre o mar e a montanha, do centro à periferia

Peregrinos (Caravia)Peregrinos (Caravia).
Um dos principais atrativos das Astúrias reside na simbiose entre o mar e a montanha. Ambos são protagonistas indiscutíveis do Caminho da Costa. O primeiro, porque guia a caminhada dos caminhantes desde que entram na comunidade autónoma pelo concelho de Ribadedeva até que a abandonam por terras de Vegadeo. A segunda, porque fará notar a sua presença de diferentes maneiras: com evidente rotundidade ao princípio, quando os peregrinos percorrerem a faixa oriental da região e descubram que nela a distância que medeia as águas e os cumes é mínima, e com mais subtileza no seu fim, quando as amplas rasas costeiras do Ocidente se virem interrompidas, no fio do horizonte, pela silhueta azulada das cadeias montanhosas. O Caminho da Costa desenha um percurso eminentemente rural e marinheiro, com a passagem obrigatória por povoados e vilas em cujas ruas se deixa sentir o cheiro do salitre e por cantos ancorados terra dentro que souberam manter a sua lealdade aos velhos ofícios

Bufones de Pria (Llanes)Bufones de Pria (Llanes).
Entre uns e outros destacam as magníficas praias, que, em muitos casos, como nos do areal de San Antolín ou a belíssima Concha de Artedo, constituem verdadeiras paragens de sonho em que se pode parar para descansar e repor forças antes de prosseguir a viagem. Sobressaem, entre os múltiplos atrativos naturais, o espetáculo torrencial dos bufones (orifícios verticais que em dias de maré alta expulsam jatos de mar pulverizado) e a silenciosa tranquilidade do Cabo Busto. Mas ambos os cantos se vêem interrompidos e sublinhados a metade de trajeto por outra Astúrias, a que ocupa o trecho central do território, em que se apreciam com clareza a passagem (e o peso) da industrialização e os conseguintes fluxos migratórios desde o campo, as montanhas e os portos até as grandes urbes. É as Astúrias que se mostram no território compreendido entre @Gijón/Xixón e Avilés (a primeira e a terceira cidade mais importantes, por tamanho, da região), com os seus portos comerciais e as suas fábricas da antiga Ensidesa, hoje Arcelor Mittal, modificando os contornos de uma paisagem em que em nenhum momento deixam de se escutar, para bem e para mal, os batimentos da história.

Praia de Gueirua (Cudillero)Praia de Gueirua (Cudillero).
Os mitos e os ritos

Fundação  Arquivo de Indianos (Ribadedeva)Fundação Arquivo de Indianos (Ribadedeva).
Ao longo da costa asturiana, os ecos do passado assaltam-nos e interpelam-nos. As primeiras pegadas da história trazem-nos os ecos dos emigrantes que, após fazer fortuna nos seus lugares de destino, regressaram à sua terra natal com a vocação de deixar a sua marca nela. Todo o povoado de Colombres dá boa mostra disso, mas cabe destacar, por razões óbvias, o Arquivo de Indianos, cujas instalações ocupam a "Quinta Guadalupe", um formoso edifício que preside o centro do núcleo urbano. A arquitetura indiana, não obstante, deixar-se-á notar ao longo do nosso percurso em lugares como Pendueles (com o chamado casarão de Verines, sede de uns célebres encontros literários) e a própria vila de Llanes, com o seu casino, a sua basílica de Santa María e o seu torreão medieval encabeçando uns atrativos aos quais é preciso somar os "Cubos de la Memoria" pintados por Agustín Ibarrola.

Ribadesella/RibeseyaRibadesella/Ribeseya.
Perto dali, na paróquia de Naves, ergue-se a portentosa igreja de San Antolín de Bedón, um dos melhores exemplos de românico rural com que conta as Astúrias e em cujo ambiente se encontram história e lenda. Também se conjugam ambos os elementos uns quantos quilómetros mais adiante, em Ribadesella/Ribeseya. Ali encontra-se a gruta de Tito Bustillo, um dos grandes santuários paleolíticos do norte da Espanha, cujas pinturas merecem ser contempladas com admiração e atenção.


A perspetiva da igreja da Nossa Senhora das Dores levantando-se sobre a marisma que separa as localidades de Barru/Barro e Niembru/Niembro é, provavelmente, uma das imagens mais singulares do oriente asturiano.

Nossa Senhora das Dores (Llanes)Nossa Senhora das Dores (Llanes).
Foi esta uma zona habitada de antigamente, como demonstra o Museu do Jurássico, situado nos arredores de Colunga e até ela chegaram os afãs construtivos dos monarcas asturianos, que deixaram como legado a surpreendente igreja pré-românica de San Salvador, em Priesca. Em Villaviciosa destaca-se pela sua leveza o templo românico de Santa María de la Oliva, mas também é preciso prestar atenção à casa onde pernoitou Carlos V, em que foi a sua primeira noite na Península Ibérica, quando veio a tomar posse do trono. Muito perto, em Amandi, outra igreja românica, a de San Juan, surpreenderá os que procurem no seu interior a originalidade da sua abside de arcos semicirculares apoiados em colunas de duplo andar.

Museu do Jurássico das Astúrias (Colunga)Museu do Jurássico das Astúrias (Colunga).
Do mesmo modo, entre Gijón/Xixón e Avilés vale a pena percorrer com calma a necrópole tumular do monte Areo. É ainda necessário mencionar que ambas as cidades pedem um passeio sossegado pelas suas ruas. Anunciar-nos-á esta entrada na área central da região a silhueta da Universidade Laboral, que, projetada pelo arquiteto Luis Moya em tempos do franquismo, constitui ainda nos nossos dias o edifício maior da Espanha.


O centro de Gijón/Xixón, com as suas emblemáticas praias de San Lorenzo a Poente, o bairro de Cimavilla/ Cimadevilla e o morro de Santa Catalina, conforma toda escultura de proa orientada para o horizonte.

Elogio del Horizonte (Gijón/Xixón)Elogio del Horizonte (Gijón/Xixón).

O centro histórico de Avilés, com as suas igrejas de San Francisco e San Nicolás de Bari, o seu palácio de Camposagrado e a sua emblemática rua de Galiana, é uma das surpresas das Astúrias centrais, complementadas pelas linhas vanguardistas do Centro Niemeyer.

Rua de Galiana (Avilés)Rua de Galiana (Avilés).
Cais na foz do rio Nalón (Soto del Barco)Cais na foz do rio Nalón (Soto del Barco).
A passagem do rio Nalón em Sotu/Soto del Barco, marca a incursão na faixa ocidental, que se tornará patente à passagem por Muros de Nalón. O ocidente das Astúrias é rico em enclaves marinheiros, e ainda que o Caminho não passe por Cudillero fá-lo-á pelos seus arredores, onde cabe admirar edifícios como a sumtuosa quinta dos Selga (El Pito) antes de se deixar levar até Soto de Luiña, com a sua elegante igreja barroca de Santa María.

Em Cadavéu/Cadavedo conserva-se a casa onde viveu e escreveu o padre Galo, o que é tanto como dizer o lugar onde nasceu a literatura asturiana moderna, e a de L.luarca/Luarca é uma das visitas mais agradecidas deste trecho do trajeto, sobretudo pelo seu soberbo cemitério marinho que presenteia com umas vistas inigualáveis sobre a própria vila e sobre o Cantábrico. Também Navia tem ressonâncias literárias: aqui nasceu o poeta Ramón de Campoamor, tão lido no século XIX. O Caminho abandona as Astúrias pela localidade de Santiago de Abres, uma vez superado A Veiga/Vegadeo, para se entrar já em terras da Galiza.

Cadavéu/Cadavedo (Valdés)Cadavéu/Cadavedo (Valdés).

Itinerário e etapas do Caminho da Costa

Bustio - A Veiga/Vegadeo: 283,8 km.
Bustio - Llanes - 24,4 km
Bustio | Colombres | La Franca | Buelna | Pendueles | Bufones de Arenillas | Purón | La Ballota | Andrín | Llanes
Llanes - Ribadesella/Ribeseya - 30,4 km
Llanes | Po/Poo | Celoriu/Celorio | Barru/Barro | Niembru/Niembro | Naves | Villahormes | Piñeres de Pría | Cuerres | Ribadesella/Ribeseya
Ribadesella/Ribeseya-Priesca - 29,0 km
Ribadesella/Ribeseya | San Pedru/San Pedro | San Esteban de Leces | La Vega | Berbes | Arenal de Morís | La Isla | Colunga | Pernús | La Llera | San Salvador de Priesca | La Vega de Priesca
Priesca - Casquita - 12,9 km
La Vega de Priesca | Sebrayu/Sebrayo | Villaviciosa | «Variante de caminos»
Casquita - Gijón/Xixón - 26,6 km
Casquita | Niévares | Alto de la Cruz | Pion/Peón | Curviellu/Curbiello | Cabueñes | Gijón/Xixón
Gijón/Xixón - Avilés - 24,7 km
Gijón/Xixón | Monte Areo | El Valle | Tamón | Trasona/Tresona | Avilés
Avilés - Muros de Nalón - 22,2 km
Avilés | San Cristóbal | Salinas | Samartín de L'Aspra/San Martín de Laspra | Barrio de la Cruz | Santiagu'l Monte/Santiago del Monte | Ranón | Riolavega| Sotu/Soto del Barco | Muros de Nalón
Muros de Nalón - Soto de Luiña - 15,5
Muros de Nalón | El Pito | Rellayo | Arroyo Concha de Artedo | Soto de Luiña
Soto de Luiña - Vil.lamouros/Villademoros - 19,8 km
Soto de Luiña | Cruce a Valdredo | Novellana | Castañeras | Santa Marina | Ballota | Cadavéu/Cadavedo | Vil.lamouros/Villademoros
Vil.lamouros/Villademoros - Outur/Otur - 20,4 km
Vil.lamouros/Villademoros | San Crituébanu/San Cristóbal | Queirúas/Querúas | Caneiru/Canero | Caroyas | Barcia | Almuña | L.luarca/ Luarca | Outur/Otur
Outur/Otur - A Caridá/La Caridad - 24,5 km
Outur/Otur | Villapedre | Piñera | Villaoril | La Colorada | Navia | Jarrio | Cartavio | A Caridá/La Caridad
A Caridá/La Caridad - A Veiga/Vegadeo - 26,5 km
A Caridá/La Caridad | El Franco | Porcía | Brul | A Veiga/Vegadeo
A Veiga/Vegadeo - Santiago de Abres - 7,0 km
Subir al inicio