Ocidente, a contínua surpresa


Nem todo o verde é igual, nem o mar bate da mesma forma, nem são similares os passos pelo bosque; nem sequer o clima desenha a mesma paisagem nas Astúrias.

O Ocidente é cor prata, tal como parecem alguns telhados de lousa quando chove; terras cheias de história onde os romanos deixaram a sua marca à procura de ouro e a ocupar os castros dos primeiros povoadores. O Ocidente é fogo e ferro, as batidas do maço na forja, os cortines na montanha protegendo o mel do urso, o vinho das videiras asturianas, cascatas que ressoam nos bosques ou essas trutas e salmões que se deixam ver no Eo.

Fácil é apaixonar-se pelos mares de névoa, pelas imponentes paisagens vaqueiras, dos reflexos da paisagem na barragem de La Florida ou Pilotuerto ou dos pastos altos nos portos onde os teitos são ensinados como parte de uma cultura e uma forma de vida que se negam a desaparecer.
Embalagem PilotuertoEmbalagem Pilotuerto (Tineo).
Isso sem esquecer os espigueiros com telhado vegetal, ou como é que convivem em algumas zonas já próximas à Galiza com os cabazos, ambas as edificações tradicionais onde se guardam o grão e os alimentos nos povoados, além de nos cestos de pão.
San Martín de OscosSan Martín de Oscos.

Montanha, sim. Lagos, também. E rotas para todos os gostos. E também mar. Muito mar e muita praia sedutora.

E entre idas e vindas, pequenas vilas autênticas com vizinhos que também o são. Amantes das tradições e dos ofícios esquecidos sobre os quais gostam de falar com os que mostram interesse neles. Gentes estas, como em todas as Astúrias, que conquistam com a sua simplicidade e a sua simpatia esse viajante que quer conhecer a terra que pisa para a entender e a desfrutar melhor.
Praia da PenarrondaPraia da Penarronda.
Subir al inicio