Experiências no mar

Gostaria de sentir o Cantábrico? Entre nas histórias e ofícios desta enigmática costa banhada por umas águas que oferecem experiências irrepetíveis. Demonstre as suas artes pesqueiras, visite um mercado e assista ao peculiar sistema de venda, aprenda os métodos de conservação dos produtos do mar e aproxime-se de zonas de cultivo de ostras e dos cetáceos, piscinas naturais para manter vivo o peixe fresco e os mariscos que poderá provar na mesa.

De volta ao portoDe volta ao porto.
Pesca, confrarias e mercados

O mar foi fonte de riqueza para famílias de pescadores e navegantes, convertendo-se num dos seus principais recursos económicos desde a caça da baleia. Em qualquer uma das vilas pode aproximar-se ao ofício tradicional e desfrutar das diversas modalidades de pesca desportiva do Cantábrico.

Aos seus portos chegam mais de cento e cinquenta espécies diferentes de peixe, como o bonito, a xarda (cavala), o carapau, o pixín (tamboril), o goraz, o sargo, a pescada, o salmonete; mariscos como a santola, os percebes, o bugre (lavagante), os bígaros, a ñocla (boi de mar), a andarica (caranguejo) e cefalópodos como o polvo, a lula e a sépia. É preciso destacar também o trabalho dos anguleros nos rios, na sua foz, nos estuários e nas rias, desenvolvida principalmente nas horas sem luz dos meses de outono e inverno. O ofício, as artes e os produtos do mar inspiram centros de interesse turístico como o Museu Marítimo das Astúrias, em Lluanco/Luanco e os centros de interpretação "Histórias do Mar", do Porto de Vega e "Puerta del Mar", em L'Arena/San Juan de la Arena.

Museu Marítimo das Astúrias (Gozón)Museu Marítimo das Astúrias (Gozón).

Desde a Ria de Tina Mayor até ao Eo, entre no estilo de vida de inúmeras gerações asturianas.

Cetáceos e aquacultura

A água do Cantábrico entra e sai constantemente das piscinas dos cetáceos, que garante que o marisco se sente como no seu próprio habitat e garante a melhor qualidade. Aqui encontram-se os melhores produtos. A visita aos cetáceos de Antromero (Gozón) será uma boa oportunidade para levar o marisco mais fresco.

Recomendamos-lhe também uma visita ao centro de cultivo de ostras da ria do Eo, frente à costa de Castropol. Uma zona de grande valor ecológico onde se aproveita essa riqueza natural para instalar as grelhas e colocar os sacos ostrícolas. O Cantábrico banha-as duas vezes por dia. As horas sem água facilitam que os moluscos desenvolvam um importante músculo para se manter fechados. Isto permite que não seja necessário proporcionar-lhes nenhum nutriente. O seu processo de crescimento até à sua recolha é totalmente natural. Entra assim no mercado um produto com qualidades gastronómicas insuperáveis. Destaca-se também o cultivo de marisco, principalmente de amêijoa fina, na ria de Villaviciosa.

Produtos do CantábricoProdutos do Cantábrico.
Ao seu trabalho puramente pesqueiro somou-se a sua defesa dos portos contra os ataques de piratas e tropas estrangeiras, assim como a sua colaboração no transporte de passageiros e mercadorias para a América. Ao longo da costa asturiana encontrará dezoito confrarias com uma importante atividade laboral e social. Do Ocidente até ao Oriente, o calendário está pejado de atos festivos de grande afluência organizados por estes grupos, principalmente nos meses de verão.

Muitas destas confrarias gerem as rulas, o primeiro ponto de venda após a descarga dos barcos. Viverá uma fantástica experiência em mercados como a de Avilés e o Porto de Vega vendo de perto como é que funciona o sistema de venda na baixa, onde o preço dos peixes e mariscos do Cantábrico vai diminuindo em pequenas quantidades até que um último comprador fixa a compra.

Os marinheiros tomam as decisões importantes para o grémio nas irmandades e confrarias. Fomentam a pesca tradicional, o cuidado do meio marinho, as boas práticas e a exploração responsável e a frescura das capturas.

Rula de Puerto de Vega (Navia)Rula de Puerto de Vega (Navia).

Conservas

Procedimentos tradicionais e de carácter artesanal, como a salga, o escabeche e o vinagre, permitiram assentar a indústria conserveira em praticamente todos os portos asturianos, principalmente com mão de obra feminina. Aproveitando a insuperável matéria-prima das águas do Cantábrico, o grande auge ocorreu graças às comunicações por caminhos de ferro e a entrada das embalagens de enlatados no mercado. Isso propiciou o assentamento de grandes empresas a nível nacional, que hoje partilham o mercado com pequenas manufatureiras.

A ampla oferta da indústria permitir-lhe-á provar desde o tradicional bonito do Norte, sardinhas, anchovas, mexilhões e polvo, até caviar de ouriços e patês de santola, cabracho ou bugre, ficando por citar algumas das variadas modalidades. Aproveite para saborear os produtos das fábricas de maior tamanho em Gijón/Xixón, Avilés e Candás, com uma exposição permanente sobre a indústria conserveira numa antiga fábrica, assim como a produção a pequena escala em Tapia de Casariego, Cudillero, Llastres/Lastres e Ribadesella/Ribeseya.

ConservasConservas.
Portos marítimos e Desportivos

Porto desportivo de Gijón/XixónPorto desportivo de Gijón/Xixón.
Os portos de Avilés e de Gijón/Xixón são os mais importantes do Principado. Sobressaem pelo volume de entrada de barcos e capturas. Situam-se nos primeiros postos a nível estatal pelo seu tráfego e oferecem diferentes cais para o atracamento. O de Avilés, de origem medieval e em cujos inícios se distinguiu pelo monopólio para a descarga de sal, dispõe de docas para uso comercial, pesqueiro e desportivo. Esta última atividade desenvolve-se muito perto do Centro Niemeyer, um magnífico complexo tanto do ponto de vista arquitetónico como cultural e artístico. A industrialização marcou o crescimento de El Musel, em Gijón/Xixón, dedicado também a atividades comerciais, de transporte de mercadorias e de viajantes, e pesqueiras. A cidade mais povoada das Astúrias mantém viva a sua forte vinculação com o Cantábrico, plasmada com especial encanto no bairro marinheiro de Cimavilla.

Porto de Llastres/Lastres (Colunga)Porto de Llastres/Lastres (Colunga).
De menor tamanho, destacam-se outros enclaves marítimos como o Porto de Vega, L.luarca/Luarca, Cudillero, Lluanco/Luanco e Candás. Na parte oriental, também o fascinarão Tazones, Llastres/Lastres, Ribadesella/Ribeseya e Llanes. Poderá desfrutar da singularidade de cada um e entrar na relação ancestral entre estas vilas e o Cantábrico. Sobre os portos desportivos, ideais para o atracamento e o prazer do mar.

Portos desportivos

Subir arriba