A zona sidreira e a costa oriental das Astúrias

Sidroturismo é uma palavra que cobra todo o seu significado nos concelhos da Comarca da Sidra, sobremaneira em Villaviciosa e Nava, capitais da sidra e da maçã. Junto a eles, Cabranes, Bimenes, Colunga e Sariego. Em Villaviciosa, e entre outras coisas, existe arte pré-românica e românica em abundância, além de rotas e do Caminho de Santiago, que atravessa o concelho. Tem uma preciosa ria, onde é um prazer ver o pôr do sol desde o Pontal ou na praia de Bonhome.

Também conhecer a história do azeviche, procurar moinhos junto ao rio Profundu ou, inclusivamente, perder-se um momento por Sietes, com um grande número de espigueiros e paneras de interesse. Também deve passear pela Vila.

Imprescindível perder-se pelos becos do porto de Tazones, pura marinharia.

Tazones (Villaviciosa)Tazones (Villaviciosa).
No outro concelho sidreiro, Nava, os amantes da natureza têm locais tão pitorescos como La Praera, ou povoados como Piloñeta ou Grátila/Gradátila, bem como os foces do rio Pendón e o caminho do Remediu. Os mais "lambões" devem aproximar-se de Cabranes, onde ocorre o Festival do Arroz com Leite, de sobeja fama em toda a região e, de passagem, visitar os povoados de Santolaya/Santa Eulalia, a sua capital, ou Torazu/Torazo. O Museu da Escola Rural, em Viñón, merece, sem dúvida, outra visita.

Povoados bonitos e uma boa paisagem também existe em Sariego e em Bimenes. No primeiro estão a igreja de Santa María e a capela de San Pedrín, junto à gruta, sem esquecer a rota das proximidades do céu. Em Bimenes, os que gostem do bom enchido poderá encontrar um importante número de empresas de enchidos tradicionais. E os amantes da rádio têm aqui uma visita obrigatória à Casa das Rádios.
Torazu (Cabranes)Torazu (Cabranes).
Llastres/Lastres (Colunga)Llastres/Lastres (Colunga).
Colunga,como toda a zona costeira já desde Villaviciosa, é toda uma jazida natural de icnitas (pegadas de dinossauro); não é em vão que se encontra a rasa de San Telmo, muito próxima do porto de Llastres/Lastres, o Museu do Jurássico das Astúrias. Bonito é ainda Colunga junto ao mar, ou no vale e a montanha. Além das suas estupendas praias também vale a pena conhecer os povoados de Güerres/Huerres, Lloroñi/Loroñe, Llúe/Lue, Lliberdón/Libardón e Gobiendes. E se se é amante dos faróis, imprescindível visitar o de Lluces/Luces.

Faro de Lluces/Luces (Colunga)Faro de Lluces/Luces (Colunga).
Caravia, Ribadesella, Llanes e Ribadedeva não só apaixonam por partilhar o mar, mas também por ter um interior rico em vales, montanhas e bosques. No caso do primeiro, é fácil ficar atónito com praias como Arenal de Morís e La Espasa.


Depois, olhando para a montanha, possuem também outra joia, a serra do Sueve, partilhada com vários concelhos e que coroa o Picu Pienzu. Sem esquecer o miradouro del Fitu.

Miradouro del Fitu (Parres)Miradouro del Fitu (Parres).
Ribadesella/RibeseyaRibadesella/Ribeseya.
Quanto à história dos indianos, através do seu legado arquitetónico, esta mostra-se por todo o Oriente. Ribadesella e Llanes são dois claros exemplos. No caso de Ribadesella/Ribeseya pode admirar-se, por exemplo, o passeio da praia de Santa Marina sem esquecer o seu centro histórico e lugares como o mercado e, inclusivamente, o porto. É obrigatória a visita, em Ribadesella, às grutas de Tito Bustillo, ou a povoados de tanta beleza como Cuevas del Agua.

Cueves (Ribadesella)Cueves (Ribadesella).
Llanes mantém a linha de beleza do resto do oriente astur. Tanto no que se refere à imensa riqueza relativa a praias e angras, como em paisagem de interior. Começando pela vila marinheira, que seduz ao primeiro golpe de vista, e com todo o seu centro histórico, passando por povoados e locais peculiares como os bufones de Pría e os de Vidiago; o cemitério sobre a ria entre Barru/Barro e Niembru/Niembro, ou pequenos povoados como Porrúa, Cue, Andrín, Po/Poo, Nueva, Rinsena/Riensena, El Mazucu/El Mazuco, Vidiago, Buelna, Valmori/Balmori, Niembru/Niembro e Pendueles.

LlanesLlanes.
Em Ribadedeva é bem conhecida a história dos sapateiros de Pimiango. A ermida de San Emeterio e as ruínas do mosteiro de Tina são visita imprescindível.


CColombres, a sua capital, é também uma homenagem aos indianos, pois são inúmeros os casarões e palácios que os relembram.

Colombres (Ribadedeva)Colombres (Ribadedeva).
O mais importante é "A Quinta Guadalupe", que alberga desde há anos o Arquivo de Indianos e o Museu da Emigração. E chegados a Alles, capital da Peñamellera Alta, é imprescindível ver a sua impressionante igreja de San Pedro, no centro do povoado, e os restos reabilitados da antiga igreja de San Pedro de Plecín, que estão num canto mágico. Em Trescares encontra-se a formosa ponte La Vidre, enquanto uma estrada bonita e sinuosa, com vistas espetaculares, é a que leva ao povoado de Oceño, onde também pode comprar queijo de Cabrales. Peñamellera Baja, cuja capital é Panes, tem monumentos naturais como a Sauceda de Buelles, povoados tão peculiares como Cuñaba e monumentos como a igreja de San Juan de Ciliergo. Na agenda é preciso apontar também uma visita à gruta da Loja com a sua amostra de arte paleolítica.

Pico Peñamellera (Peñamellera Baja)Pico Peñamellera (Peñamellera Baja).
Subir arriba
Mais informação acerca dos municípios do percurso: