Os vales mineiros e o seu rosto mais natural


Os tesouros da Montanha Central são partilhados por Ribera de Arriba, Morcín, Riosa, Mieres, Lena e Aller, com um importante património industrial e mineiro, mas também com abundante riqueza natural e etnográfica.

Ribera de Arriba, mais na planície, conta com povoados tão bonitos como Güeñu/Bueño, com uma das maiores amostras de espigueiros e paneras de todas as Astúrias. Riosa e Morcín competem tanto em beleza paisagística como em locais de interesse. Em Riosa a história do ciclismo escreveu-se com a subida ao já mítico Angliru, no meio da paisagem da Serra do Aramo. Lembrar que os adeptos do BTT podem desfrutar percorrendo o "anel ciclístico". Morcín, por outro lado, tem entre os seus cantos mais visitados o Monsacro, onde se encontram a capela de Santa María Magdalena e a ermida de Santiago, e onde se guardaram, reza a História, as relíquias da Cristandade.
Subida ao Angliru (Riosa)Subida ao Angliru (Riosa).
Capelas de Monsacro (Morcín)Capelas de Monsacro (Morcín).
É um dos seus lugares mais emblemáticos. E é preciso destacar o seu Festival do Queijo Afuega'l Pitu ou cantos com tanto encanto como a barragem de Alfilorios e o fantástico Torrexón em Peñerúes.


A história mineira e o carvão, sobremaneira, fazem parte do concelho de Mieres, com um grande património de arqueologia industrial.

Barragem de Alfilorios (Morcín)Barragem de Alfilorios (Morcín).
A partir do povoado mineiro de Bustiello aos poços Espinos, Fortuna ou Socavón de la Rebaldana, no vale de Turón, a paisagem de casas e pradarias mistura-se com estruturas de poço mineiro, alguns tão conhecidos como os dos poços San José ou Santa Bárbara. Para conhecer essa história bom é visitar tanto Bustiello como a sala de aula didática Pozu Espinos, ou a do Poço Fortuna. Também é Mieres passagem de peregrinos que, pelo Caminho de Salvador, chegam às Astúrias para visitar a catedral de Oviedo/Uviéu e continuar até Santiago. Um dos dias festivos mais importantes é a romaria dos Mártires de Cuna, na envolvente do santuário de San Cosme e San Damián. A capital mierense é um formigueiro de atividades de lazer. Imprescindível tomar umas sidras em Requejo ou desfrutar do seu "Folixa na Primavera".

Povoado mineiro de Bustiello (Mieres)Povoado mineiro de Bustiello (Mieres).
Lena e Aller são também tão ricos em paisagens, como em tradições ancestrais. Em Lena, durante o inverno assume grande protagonismo para os amantes da neve Valgrande, em Payares, com a sua estação de esqui. Entre os seus grandes atrativos está a igreja de Santa Cristina de Lena, declarada Património da Humanidade pela Unesco em 1985 e uma das joias do pré-românico asturiano. Isso sim, antes de subir, bom é parar na Sala de Aula Didática do Pré-românico, situada na antiga estação de La Cobertoria. Formosa também a igreja românica de San Antolín de Sotiel.lo, sem esquecer a igreja e o santuário de um povoado lindíssimo, Bendueños, com uma vista espetacular do ambiente envolvente. Existem, para aproveitar, inúmeras rotas, como a do bosque de Valgrande, o vale de Felgueras, Brañavalera, Ablaneo e o Mofusu.

Iglesia de Santa Cristina de Lena (Lena)Igreja de Santa Cristina de Lena (Lena).
Estação de esqui Fuentes de Invierno (Aller)Estação de esqui Fuentes de Invierno (Aller).

E também Aller conta com uma importante oferta para os amantes dos desportos de inverno na sua estação de Fuentes de Invierno.

Entre as suas rotas singulares estão a da cascata de Xurbeo, as Foces del Pino, a que leva a Peña Mea e a que vai do Rio Aller ao porto de Vegarada. Assume grande importância aqui a chamada "Via Carisa", entre os concelhos de Lena e Aller, levantada pelos romanos em tempos de Augusto, que deve o seu nome a Publio Carisio. Existe um acampamento romano a 1 728 metros, no monte Curriechos, por motivo da guerra que contra eles mantiveram os astures. Também estava presente aqui a história da mineração, podendo observar-se, por exemplo, as estruturas de poço mineiro dos poços de San Jorge e Santiago, em Caborana e San Antonio em Morea/Moreda. Existe também uma senda que leva até o poço San Fernando, em Uriés. Entre as suas belezas naturais, das já indicadas, estão a manada do Gumial, o vale de San Julián e os portos de Rasón.

Cascata de Xurbeo (Aller)Cascata de Xurbeo (Aller).
Ecomuseu Mineiro Vale de Samuño (Langreo)Ecomuseu Mineiro Vale de Samuño (Langreo).
Também o Vale do Nalón é terra de visita turística, um vale onde a mineração, o carvão, a gente que o habita e o rio que lhe dá nome fazem parte primordial da história das Astúrias e da sua gente. Como no Caudal e outros lugares onde também houve explorações mineiras, e não só de carvão, os mineiros e a mineração escreveram parte da nossa história.

MUSI - Museu da Siderurgia (Langreo)MUSI - Museu da Siderurgia (Langreo).
Assim, e em Langreo, e dentro da sua história industrial, assumem grande relevância tanto o MUSI (Museu da Siderurgia), como os poços mineiros de Candín, María Luisa, Fondón, San Luis e Samuño. Para conhecer o seu património natural, uma boa opção é realizar uma rota como a do Trole e os Moinhos, a rota circular de Ciañu e a rota verde El Tendejón-La Colladiella. Um dos seus grandes atrativos é hoje o Ecomuseu Mineiro Vale de Samuño, onde, no seu comboio mineiro, se apresenta ao viajante numa mina autêntica, a do poço San Luis, num percurso intenso, íntimo e ameno por uma realidade, a mineira, que continua viva apesar da grande reconversão que sofre o setor nas Astúrias.

Museu da Mineração e da Indústria das AstúriasMuseu da Mineração e da Indústria das Astúrias (San Martín del Rey Aurelio).

Em San Martín del Rey Aurelio encontram-se dois centros museológicos de grande relevância na região: o MUMI, ou Museu da Mineração e da Indústria das Astúrias, e o Poço Sotón.

O Museu da Mineração encontra-se em L'Entregu/El Entrego. Os que quiserem desfrutar da natureza têm entre as opções percorrer o vale de Santa Bárbara a partir de Sotrondio. A rota leva até ao alto de La Colladiella. A sua riqueza patrimonial industrial é indiscutível, e disso dão amostra, por exemplo, as bocas da mina dos poços Sotón, La Generala, La Sultana, a do Práu Molín, Venturo, o poço Ignacia, a mina La Bornaína e o Socavón de Santa Bárbara. Quanto às minas de carvão, citar algumas como as do poço San Vicente, o poço Entrego, o poço La Cerezal, o poço Venturo, o Sorriego e o já citado Sotón.
Poço Sotón (San Martín del Rey Aurelio)Poço Sotón (San Martín del Rey Aurelio).
LavianaLaviana.
No concelho de Laviana, e concretamente em Entrialgo, é preciso visitar a casa natal do escritor Armando Palácio Valdés, muito perto da famosa ponte de La Chalana. Pela sua riqueza paisagística são muitas as rotas que se podem realizar aqui, entre elas a das Foces del Raigosu, uma volta por Peñamayor, a subida a Peña Mea e a rota verde El Sutu-La Var. Este percurso pelo vale do Nalón termina em dois concelhos, Sobrescobio e Caso, que formam aquilo que se conhece por Parque Natural de Redes.


Quando se entra em Sobrescobio a primeira coisa que se deixa para trás é a paisagem mineira e industrial de referência, para esbarrar de frente com um espetáculo natural aberto.

Soto (Sobrescobio)Soto (Sobrescobio).
Rota del Alba Sobrescobio)Rota del Alba (Sobrescobio).
O Torrexón de Villamoréi vigia os nossos passos. Impressiona, sem dúvida, a barragem de Tañes, com a sua colegiada de Santa María la Real inclinada sobre as suas águas, ou a Rota del Alba que, partindo de Soto leva o viajante por um caminho de verde, pedra e água com uma beleza que o deixa sem fôlego. É que Soto é um dos povoados que é necessário ou visitar, ou visitar. E também Campiellos, Villamoréi, Llaíñes/Ladines, La Polina e a própria capital, Rusecu/Rioseco. Outras rotas recomendáveis são a Picu La Xamoca, a rota da calçada romana, a rota verde do Torrexón e que leva ao Tabayón del Mongayo desde Tarna.

Andorviu (Caso)Andorviu (Caso).
E a partir de Sobrescobio a Caso, berço do grande queijo casín, um dos mais emblemáticos das Astúrias. Para conhecer melhor como se pode desfrutar deste ambiente é bom visitar o Centro de Receção e Interpretação da Natureza do Parque Natural, em El Campu, a capital do concelho, uma terra cheias de pequenos povoados encantadores e pelos quais é bom caminhar, como por exemplo, Caliao, Orllé, Veneros, Bueres, El Tozu, Belerda, Bezanes, Coballes e Tarna. Um dos lugares mais impactantes da zona é Brañagallones. Subir até à várzea e descobri-lo é uma experiência inesquecível e, a partir daí, pode-se realizar, por exemplo, a rota da Peña'l Vientu. Também desde Caso pode subir ao pico Tiatordos. Imprescindível visitar em Veneros o Museu da Madeira, homenagem, sobretudo, aos muitos professores madeireiros que houve esta zona.

Subir arriba
Mais informação acerca dos municípios do percurso: