Um passeio pelo Parque Natural dos Picos da Europa e o que o rodeia

Se já assinalávamos a aparição dos Picos da Europa no seu encontro com os concelhos de Peñamellera Alta e Peñamellera Baja, a coisa torna-se mais sublime chegados a Cabrales, e assim continuará nesta viagem de regresso até ao centro oriental das Astúrias por Onís, Cangas de Onís e Amieva. O Parque Nacional dos Picos da Europa é o grande espetáculo. No Maciço Central estão os cumes mais altos da cordilheira Cantábrica, com os Urrieles, onde está o Picu Urriellu, que é como lhe chamam os cabraliegos, ainda que outros o conheçam como o Naranjo de Bulnes, com 2 519 metros de altitude.

CabralesCabrales é berço do montanhismo mundial, mas também dos que gostam de passear por rotas mais simples, além disso de, juntamente com a Peñamellera Alta, onde se elabora o queijo de Cabrales, com denominação de origem protegida. Conta com povoados singulares como Camarmeña, Tielve, Sotres, Berodia, Inguanzo, Carreña, Asiego… e diversos miradouros para Urriellu como o do Pozo de la Oración o de Pedro Udaondo, apenas para citar alguns, além de muitas rotas onde a subida a Bulnes e a rota de Cares são as que contam com mais público. Mas há muitas mais.
Picu Urriellu (Cabrales)Picu Urriellu (Cabrales).
Rota de Cares (Cabrales)Rota de Cares (Cabrales).

E se Cabrales e Peñamellera Alta são as zonas onde se elabora o queijo de Cabrales, Onís e Cangas de Onís é onde se realiza um queijo não menos famoso: o Gamonéu.

Onís encontra-se em pleno coração do Maciço Ocidental dos Picos, cuja capital é Benia. Entre alguns dos seus povoados a descobrir estão Demués, Gamonéu, que se reparte, curiosamente, entre os concelhos de Onís e Cangas de Onís, e outros lugares como Remís, Sirviella, Castru, Avín o Villar. Imprescindível conhecer uma queijaria de gamonéu del valle, variedade que fazem todo o ano, uma vez que o do porto, sazonal e artesanal, só se fabrica no porto nos meses de verão.

Queijo Gamonéu (Onís)Queijo Gamonéu (Onís).
Chegados ao concelho de Cangas de Onís, centro turístico desta zona, a sua capital, Cangues d'Onís/Cangas de Onís, é um ferver de idas e vindas dos viajantes procurando, além de lembranças que comprar para os seus, tirar a foto obrigatória junto à ponte medieval, de traçado romano, de que pende a Cruz da Vitória, que representa as Astúrias e todos os asturianos.


Do ponto de vista cultural, Cangues d'Onís/Cangas de Onís tem, sem dúvida, uma riqueza tremenda.

Ponte de Cangues d'Onís/Cangas de OnísPonte de Cangues d'Onís/Cangas de Onís.
Baste citar como visitas obrigatórias, apenas para nomear algumas, as da gruta do Buxu, o dólmen de Santa Cruz e Abamia. No concelho é imprescindível visitar o santuário de Cuadonga/Covadonga, a basílica de Santa María la Real, a Santinha, a Virgem de Cuadonga/Covadonga, padroeira de todos os asturianos, na Santa Cueva e, sem dúvida também os lagos e todo o espaço natural compreendido no Parque Nacional dos Picos da Europa de uma beleza estonteante.

Tesouros da natureza aguardam-nos também nos próximos concelhos de Amieva e Ponga. Amieva encontra-se no vale alto do rio Sella. A sua construção mais antiga é Santa María de Mián. Tem vários casarões de interesse, assim como pontes atraentes para a fotografia, como a dos Graznos, à entrada do impressionante desfiladeiro dos Beyos.
Santa Cueva (Cangas de Onís)Santa Cueva (Cangas de Onís).
Vale de Angón (Amieva)Vale de Angón (Amieva).

Não esqueçamos além disso que tanto aqui como em Ponga se fabrica o famoso queijo de Beyos.

Uma das suas rotas lindas e simples é a do Beyu Pen, sem esquecer também a de La Jocica. Sames, Vis e Carbés são alguns dos lindíssimos povoados, além do impressionante vale de Agnón.

Bosque de Peloño (Ponga)Bosque de Peloño (Ponga).
E se Amieva encanta, o mesmo acontece com Ponga. O seu parque natural é um espetáculo com maiúsculas. A capital, San Xuan/San Juan de Beleño, convida a vaguear, bem como vaguear por povoados como Tarañes, Sobrefoz, Sellañu, Viegu, Abiegos, Valle Moru (povoado abandonado), Tanda, Vibuli ou Cazu. Lindíssimo o porto de Ventaniella, e não o é menos o bosque de Peloño, bem como a estrada que, após passar Viegu, desce até ao desfiladeiro dos Beyos para descobrir lá em cima o povoado de El Beyu. Imprescindível a visita ao Centro de Interpretação do Parque Natural de Ponga, que se encontra à saída de San Xuan/San Juan de Beleño.

Vale de Borines/Boriñes (Piloña)Vale de Borines/Boriñes (Piloña).
Finalize esta viagem pelo Oriente em Piloña e Parres. A capital de Piloña é L'Infiestu.


Pensar em Piloña é pensar na rota da Foces del Infierno, o santuário da Virgem da Gruta, a gruta do Sidrón, o reino da avelã, os espigueiros e paneras do povoado de Espinaréu e a arquitetura tradicional bem conservada no bairro de Valledal, em Villamayor.

Espinaréu (Piloña)Espinaréu (Piloña).
Entre os povoados com encanto está Anayo, de onde de novo existem umas vistas espetaculares dos Picos. Cerecea, San Román, Valles, Valle, El Texedal e Santianes sã outros. E de Piloña, ao concelho de Parres, cuja capital é Arriondas/Les Arriondes, extremamente conhecida no mundo por ser de onde partem os canoístas que participam todos os anos na Descida Internacional do Sella, emblemático rio asturiano, para terminar em Ribadesella/Ribeseya. A conhecida como "Fiesta de les Piragües" foi fundada em 1930 por Dionisio de la Huerta, Manés Fernández e Alonso Argüelles. Entre as rotas mais destacadas estão a subida al Picu Pienzu, que as pessoas iniciam à altura de La Cruz de Llames ou desde o Fitu e a subida a La Mota Cetín. Povoados pitorescos são Arenes, Llames e Vallubil.
Descida Internacional do Sella (Parres)Descida Internacional do Sella (Parres).
Subir arriba
À espera dos resultados...
À espera dos resultados...